quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Espera



E a gente espera... 
A gente espera muito...
A gente espera muito mais que o imaginado...
E a gente espera para quê?

Às vezes a gente espera para nada!

sábado, 24 de dezembro de 2011

O meu natal...



Ainda é agosto e todos pensam na festa de natal.
São tntos planos. Tanta coisa para se pensar.
Esse ano a decoração vai ser especial e todos sentarão à mesa para a ceia,
Não vamos esquecer de preparar as músicas, chega de ficar ouvindo somente Simone. 
Falta tanto tempo e ninguém para de especular o que dará de presente no amigo secreto e no amigo sacanagem.
Falta quatro meses e a gente conta os dias para a melhor festa do ano.

Há três anos  era assim o natal aqui em casa.
Há três anos o natal mudou. 
Foram três natais e três perdas irreparáveis.
Cada um dos natais um pouquinho mais vazio. 

Vó Maria, Tia Cida e Tio Feda...
Três pessoas que faziam toda diferença no natal e em todas as outras festas.
Natal passado foi triste e vazio sem vocês.
Vocês estão fazendo uma falta inimaginável, sabia?

Dói demais perder as três pessoas que mais se ama, ainda mais em tão pouco tempo. Dói ainda mais nessas datas em que todos se reúnem, festejam e se abraçam. Dói saber que nunca mais estaremos aqui juntos e nos abraçando nessa data tão esperada. 
O que me dá força é saber que vocês jamais iam querer que abandonássemos esse hábito de comemorar o natal. Sem vocês eu entendi o verdadeiro sentido do natal, vi que muito mais que festa, o natal é tempo de fé, reflexão e esperança.
Vai doer? Claro que vai! Mas tenho fé de que as coisas irão melhorar. Natal é tempo de união, seria um tanto egoísta ficar quieta em casa e deixar de estar ao lado das pessoas que estão tão tristes quanto eu.

Ficam aqui os meus votos de um natal maravilhoso a todos, principalmente sem que esqueçamos o verdadeiro significado do natal. 

Boas Festas....

Beijos. 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Assumo





"Ok, não vou mentir, tenho sentimentos de estimação por você.
Mas estou deixando de alimentá-los. Um dia eles morrem."

Gabito Nunes

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Minino



Engraçado, posso escrever sobre tudo e qualquer coisa, mas quando é para falar de um amigo a coisa se torna  difícil. Se for para falar de você, a coisa complica ainda mais. Qualquer coisa que eu penso em escrever parece pouco diante do que você é realmente para mim. 

Faz pouco mais de um ano que você entrou na minha vida e, em tão pouco tempo, já passou por tantas coisas comigo. Foram tantas conversas, conselhos, broncas, sorrisos... Você consegue me acalmar simplesmente perguntando se estou bem. Tudo fica mais simples e suportável se você estiver "por perto". 

Há pouco mais de um ano você nem sorria na minha frente, era importante manter o mistério e parecer sério e eu tinha que descobrir se estava sorrindo olhando dentro dos seus olhos que se fecham um pouquinho quando você tenta esconder o sorriso.
Quem diria que tanta coisa mudaria em tão pouco tempo? E quem diria o contrário?

"Minino", lamento não poder estar aí e te dar um super abraço de feliz aniversário. Mas como você mesmo disse ontem: estou aí em pensamento, e não se preocupe que em janeiro, no Rio de Janeiro, eu pago esse abraço com juros. 

Obrigada por fazer parte da minha vida e por me ajudar tanto. Obrigada por ser praticamente meu diário, confessionário, amigo, cúmplice... Obrigada por me trazer sempre tanta paz e outras coisinhas mais. Sobretudo, obrigada por acreditar mais em mim do que eu mesma acredito.

Eu poderia dizer que você é um amigo perfeito, mas seria pouco. Você é um anjo que Deus me emprestou para por um pouquinho de juízo na minha cabeça e para me fazer ser sempre melhor do que eu acho que posso ser. 

Feliz aniversário "minino"! Que Deus continue iluminando-o cada vez mais para que você possa continuar irradiando essa luz a todos ao seu redor. Hoje inicia-se um novo ciclo, e que este seja repleto de coisas boas! Muito sucesso!

Você é mais que importante, você é essencial!

Beijos

domingo, 18 de dezembro de 2011

É ela



Ele: Não vejo a hora de matar a saudade que estou de você.
Ela: A vontade é recíproca, mas sem ser nesse fim de semana, no próximo seremos só nós dois. 
Ele: Posso te pedir uma coisa minha linda?
Ela: Claro! Você sabe que pode. 
Ele: Nesse fim de semana vamos conversar menos por torpedo e não falar da gente abertamente. Pode ser?
Ela: Alguma ocasião especial? Conversamos todos os dias, o dia todo e, principalmente, sobre tudo. O que houve?
Ele: Sabe aquela mulher que falei para você que tinha tudo para me fazer tomar juízo?
Ela: Sei.
Ele: Então... Vou viajar para passar o fim de semana com ela e não queria que ela visse nossas conversas, mensagens e planos. Você me entende né?
Ela: Sim.
Ele: Ela é especial. Não que você não seja, mas...
Ela: Não precisa falar mais nada. Já entendi. Eu sou aquela que quando te perguntam "quem é?" você responde "uma amiga". Se perguntam dela você apenas diz "é ela!" e todo mundo já sabe de quem você está falando. Ela é A MULHER e eu sou apenas a amiga colorida.
Ele: Calma! Não é bem assim! Você entendeu tudo errado.
Ela: Realmente não é bem assim. Relaxa que eu não vou mandar mensagens e nem telefonar. Aproveite a viagem. Vou dormir. Se cuida.

Não esperou sequer ele se despedir para desligar o telefone. Naquela noite seu único pensamento foi que odiava ser "uma amiga". Naquela noite viu que jamais seria "ELA"para ele.

A noite foi longa. Teve choro, teve tristeza, teve arrependimento, mas sobretudo a noite deu a ela a certeza de que, a partir daquele momento, aquele homem deixaria de ser "ELE" e passaria a ser um amigo. 


sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Na minha mente


Por que às vezes é tão complicado entender as coisas mais simples? Talvez eu até tivesse entendido, mas me recusasse a aceitar.

Acho que nada, ou quase nada, acontece de uma hora para outra. Mesmo que inconscientemente, as pessoas dão sinais, vão deixando pistas e mostrando de forma implícita como são, o que estão pensando ou querendo. Talvez meu problema tenha sido perder tempo demais sonhando, imaginando ou criando expectativas quando, na verdade, eu deveria apenas me atentar ao que as pessoas estavam querendo me mostrar de fato.

No geral eu diria que vou mudar esse meu jeito de ser, mas não adianta. Simplesmente sou assim e assim continuarei. Se eu dissesse que iria mudar e deixar de criar expectativas e de desenhar as pessoas na minha mente, estaria tentando me enganar, e como diz a música: "mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira".

Em fim, como diz um certo "minino": vida que segue. Um dia certamente alguém será tão bom na minha vida quanto é na minha mente.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O tempo passou...


Quanto tempo heim?

Só para variar, fiquei sem internet por um período e sem computador por outro período. O fato é que esse tempo durou mais que o esperado. 

Para não acontecer, como sempre acontece, de dar branco quando resolvesse voltar a postar , comecei (ou melhor, voltei) a escrever em um caderno tudo que me vinha à mente, assim eu já teria o que postar quando todo esse transtorno acabasse. No início estranhei, muito mais fácil digitar que manuscrever, porém depois relembrei os tempos de diário e foi tudo muito bom. 

Espero poder voltar definitivamente a escrever, mas isso o tempo dirá.

Beijos

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Pela janela

Talvez eu também devesse estar correndo, afinal é o que todos fazem em busca de um lugar para sentar quando as portas do trem se abrem às 6:00hs.

Ficar em pé não me incomoda, até gosto, é melhor para olhar pela janela. A vista que tenho nunca é a mesma, meu olhar nunca é o mesmo. Há dias em que tudo que se passa diante da janela é sem graça, assim como algumas manhãs na minha vida, Há, porém, dias em que tudo parece ter um colorido especial e eu acabo por alegrar-me um pouco mais. 

Toda essa bagunça cotidiana, por fim, acaba fazendo-me muito bem. Fico em pé, olhando de cima, apenas observando a tudo e a todos. Sinto-me muito bem por não ser mais uma pessoa, em milhares, que preferem fechar os olhos a observar a vida que se passa pela janela. 

De segunda a sexta-feira um mesmo trajeto. De segunda a sexta-feira um novo aprendizado. 

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Você


Você, só você... 

Um ser tão simples e complexo ao mesmo tempo.
Um ser que me faz ir do inferno ao paraíso em questão de segundos.
Um ser que faz com que eu esqueça de mim. 

Você, só você...

domingo, 22 de maio de 2011

Invisível


Antes de começar, uma coisa precisa ficar bem clara: essa não é uma daquelas histórias que um amigo de um amigo de um primo de uma colega contou. 

Para ir trabalhar eu desço na estação de trem da Lapa (de cima) e tenho que pegar o fretado da empresa na Lapa de Baixo. Para chegar ao destino eu passo por baixo de uma ponte, cheia de mendigos,  e por um túnel, um tanto assustador,  

Ontem, enquanto passava pela ponte, comecei a ouvir a conversa de um menininha com a sua mãe (sim, eu sou muito curiosa). A menina devia ter no máximo quatro anos e falava mais ou menos isso:
- Mãe, por que eles tão deitados no chão?
- Porque eles não tem casa - Respondeu a mãe. 
- Mas as pessoas têm que dormir em casa.
- Aqui é a casa deles. 
- A casinha deles é muito bonitinha né mãe, e é maior que a nossa. Eles tem até cachorro e a gente não.
A mãe começou a rir e nesse momento eu  apertei o passo porque, como sempre, estava atrasada.

Isso não me saiu da cabeça desde aquele momento. Pensei tanto nisso que acabei lendo "O Pequeno Príncipe" de novo para relembrar a ideia de que não devemos deixar de ver o mundo com os olhos de criança. Olhar o mundo com os olhos despidos de pré-conceitos. Quantas pessoas repararam naquele cachorro? Quantas pessoas olharam para aqueles mendigos como pessoas e não como bêbados, drogados ou um possível assaltante? 

Fica a dica: ler "O Pequeno Príncipe" é algo sempre especial, ao menos para quem ainda tem um pouco da sensibilidade de uma criança; 

Beijos e bom domingo a todos. 

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Minha


Porque quando você me chama de 'minha' o coração dispara, as mãos gelam, as lembranças surgem...

Porque quando você me chama de 'minha' o mundo pára e só existe você pra mim!


Casa nova...


Finalmente consegui deixar o Apenas um POUQUINHO de mim com a minha cara...
Eu sei que muita gente vai dizer "que cara feia e bagunçada a sua", mas foi o melhor que EU consegui fazer. Depois de dias e dias procurando por uma template que combinasse perfeitamente comigo, cheguei à conclusão de que nenhuma ficaria a minha cara, então resolvi criar uma... E não é que eu atá gostei.... rs

Não que criar uma imagem e colocá-la como plano de fundo seja uma das tarefas mais difíceis da face da Terra, mas para mim, que sou uma anta tecnológica, qualquer coisa é complicada. 

Aos poucos vou mudando a cor das postagens mais antigas, felizmente as novas estão legíveis.

Por enquanto é só. 

Beijinhos

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Estudar

Caramba, como é complicado esse 'troço' de estudar. 
Depois de idas e vindas em faculdades, resolvi fazer cursinho pré-vestibular. Não é segredo para ninguém que eu queira ser bióloga e é menos segredo ainda que eu queira fazer o curso em uma universidade pública. Após vários desvios de caminho decidi ir atrás do sonho de verdade, o que eu não imaginava era que seria tão complicado. Tenho uma confissão a fazer: eu não aprendi absolutamente nada em todos os anos de colégio! Com exceção das matérias relacionadas a português, eu sou um fracasso total.

Eu sei que muita gente deve estar já pensando em comentar: "calma, você acabou de começar o cursinho. Logo você vai ver que não é tão difícil". Não vou nem entrar no mérito  de que eu estou perdida. A única coisa que não sai da minha cabeça é: ONDE O BRASIL VAI PARAR COM ESSA EDUCAÇÃO DE ÓTIMA QUALIDADE? E olha que 'na minha época' não tinha ainda essa coisa de progressão continuada. 

Pior que não saber o conteúdo é perceber que eu sequer aprendi a estudar. Eu, que já comecei três faculdades, agora estou vendo que a única coisa que me aprendi foi a ouvir o que os professores falavam e dizer "Amém", ou seja: decorei muito e aprendi nada. 

Bom... O  jeito é correr atrás do tempo perdido cabulando aulas, colando em provas e por aí vai. Para quem quer algo semelhante, fica a dica: se agora está complicado, depois tudo piora... rs



Obs.: Por causa do cursinho e do trabalho eu não tenho tido tempo para nada, nem mesmo para dar uma visitada nos blogs dos amigos. Prometo arrumar um tempo para dar-lhes a devida atenção.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Passado

E quem foi que disse que o passado não volta?

Certas coisas a gente realmente queria que ficasse em um passado bem distante, mas tem outras...
Encontrar amigos de escola e cantar juntos aquela música que era cantada há dez anos atrás...
Sair com a amiga de infância e lembrar das noites comendo pipoca e tirando fotos juntas...
Reencontrar um amigo que não via há anos e reviver as lembranças.

Às vezes o passado se faz presente.
Às vezes o passado deixa de ser passado e volta a ser presente.
Ou talvez o passado fique lá atrás, mas contribua para mudar o presente. 

Realmente o mundo gira. 
Pessoas chegam e outras se vão. 
Pessoas encantam enquanto outras decepcionam.
Algumas pessoas acabam virando passado.
Outras pessoas fazem parte do presente.
Mas poucas conseguem estar no passado e no presente (como um presente da vida) ao mesmo tempo. 

terça-feira, 10 de maio de 2011

A volta...

Impressionante: Eu passei dois meses sem internet. Nesses dois meses eu tinha na mente uma postagem nova a cada hora. Bastou ligar a minha net para eu ter uma amnésia súbita. Não consigo organizar os pensamentos para escrever absolutamente nada.

Sendo assim, irei apenas agradecer a todos pelos comentários e pelo carinho com o Apenas um POUQUINHO de mim. Obrigada de verdade! Obrigada mesmo! 
Nesses dois meses pensei que seria melhor nem voltar, que talvez minha ausência não fosse sequer sentida. Quando entrei no Blog pela primeira vez depois da 'temporada' não pude acreditar que o número de visitas tinha dobrado e que eu continuava recebendo comentários na mensagem escrita há dois meses. Impossível largar o Blog e voltar a escrever só para mim.

Vamos a parte prática! Estou mudando o design do Blog, então sejam pacientes quanto a postagens antigas em cores difíceis de ler, estou arrumando isso. Espero que gostem.

Beijinhos e SEJAM BEM VINDOS DE VOLTA!

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Óia eu aqui...


Blog ainda em reforma, mas ESTOU VOLTANDO!!!

Beijinhos!!

domingo, 6 de março de 2011

Meme literário


Bom... Fui indicada pela Fernanda, do Brisas e Tempestades, a responder um Meme Literário. Acabei achando uma  imagem que mostra bem o que deve ser feito. Vamos lá.

Respondendo:

1. Leria muitas vezes muitos livros. Tenho o hábito de ler mais de uma vez os livros que eu gosto. Recentemente li pela terceira vez 'Veronika decide morrer', do Paulo Coelho.

2. Complicado. Tem tantos livros que eu gostaria de ler sempre e sempre. Nesse momento estou em dúvidas entre Brida, do Paulo Coelho e O Pequeno Prícipe.

3. Acho que todo mundo deveria ler O Pequeno Príncipe. 

4. Indico a todos que quiserem responder.

5. Brisas e Tempestades. Obrigada pelo carinho Fernanda.

Fica aí mais Um Pouquinho de Mim.

Beijinhos

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Sinto sua falta?


Se sinto sua falta?
Lembro de cada tarde trocando torpedos no meio do trabalho.
Lembro das horas e horas de conversa, ríamos de tudo e de todos, inclusive de nós mesmos.
Lembro de cada palavra de carinho, de cada abraço à distância.

Se sinto a sua falta?
Quando algo de bom me acontecia, era com você que eu queria compartilhar.
Quando algo de bom te acontecia, eu me sentia tão feliz quanto você.
Quando algo de ruim nos acontecia, tudo parecia ficar melhor se estivéssemos juntos.

Se sinto a sua falta?
Você sempre cuidou de mim, me fazia ficar bem independente de qualquer coisa.
Você sempre me fazia rir, inclusive quando não podia.
Você sempre estava comigo, da forma que fosse possível.

Se sinto a sua falta?
Passei dias e dias acreditando que logo sua ausência nem seria sentida.
Passei dias e dias acreditando que estava certa, quando não estava.
Passei dias e dias acreditando que as coisas terminariam assim de qualquer jeito.

Se sinto sua falta?
Só eu sei o quanto foi difícil aceitar e assumir que eu estava errada.
Só eu sei o quanto doeu aceitar e assumir que não fui uma boa amiga.
Só eu sei o quanto sofri por ter feito você sofrer.

Se sinto sua falta?
Como foi engraçado você deixando cair biscoito com margarina na roupa.
Como foi bom ver você me ligando no meio do carnaval para saber se eu estava bem.
Como foi especial você sendo o primeiro a me dar os parabéns.
Se sinto sua falta?
Me sinto a pessoa mais idiota do mundo por ter feito o que fiz com você.
Me sinto a pior pessoa por ter me deixado levar pelo ciúme e pela raiva.
Me sinto a amiga mais escrota por ter te machucado.

Se sinto sua falta?
Só quando estou triste e quero desabafar.
Só quando estou feliz e quero compartilhar.
Só quando lembro que você era o melhor amigo do mundo.

SE SINTO SUA FALTA?
SÓ O TEMPO TODO!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Entrevistas



Em novembro eu passei a fazer parte do quadro de desempregados do Brasil. 

A princípio é tudo festa, ainda mais porque eu receberia em três parcelas, sendo assim eu poderia tirar as tão desejadas férias, coisa que para mim não existia há mais de três anos.  
Estava decidida a voltar ao mercado de trabalho em janeiro, assim que voltasse do Rio de Janeiro.
No mês de janeiro, após a volta, veio a preguiça. Deixei a busca por emprego para o início de fevereiro...
Deixemos de lado as enrolações e vamos ao que interessa:

AS ENTREVISTAS E DINÂMICAS DE EMPREGO!

Alguém me explica o porquê de tanta pergunta besta?
Eu sei que é importante conhecer um pouco dos candidatos, mas certas coisas só servem para testar a capacidade de mentir das pessoas. 
Para comprovar a minha tese, vamos refazer algumas das perguntas feitas em muitas das entrevistas para o cargo de operador de telemarketing. Vou relatar não apenas a pergunta, mas também o que a grande maioria das pessoas responderam.

- Qual seu ponto positivo?
1. Facilidade de aprender.
2. Paciência.
3. Responsabilidade.
Realidade: essa é simples.

- Qual seu ponto a melhorar (deixaram de falar defeito)?
1. Ansiedade (essa é clássica!).
2. Timidez.
3. (não me lembro de nenhuma outra diferente dessas duas).
Realidade: preguiça, nervosismo, ganância, maldade. É claro que ninguém responde a verdade aqui.

- Por que 'Call Center'?
1. Porque eu gosto de ter contato com pessoas.
2. Porque é uma área que está crescendo muito.
3. Porque é uma área que eu gosto muito.
Realidade: porque foi a única oportunidade que apareceu ou porque trabalha-se apenas seis horas diárias e sem esforço físico. 

- O que a empresa pode esperar de você?
1. Comprometimento.
2. Vontade de aprender.
3. Responsabilidade.
Realidade: no máximo, que eu cumpra as minhas obrigações.

Será mesmo que é possível acreditar em tudo que o candidato fala?

E você, é 100% sincero nas entrevistas?

Beijinhos.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Passa




Tudo passa...
Seja bom ou seja ruim...
Vai passar!

A vida é feita de ciclos e fases.
Nada é bom e eterno.
Nada é ruim e infinito!

Sendo assim, diante do mal:
Levanta, sacode a poeira e
Dá a volta por cima!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Um pouco menos feliz


Acho que todo mundo, no fundo no fundo, tem (ou faz) algo de que se orgulha muito. Sabe aquela coisa que, quando a gente se olha no espelho, nos faz pensar "eu sou especial e diferente por isso"? Pois é, o que me deixava (sim, o verbo está no tempo correto) cheia de orgulho era estar fazendo a minha faculdade, era bater no peito e falar "Eu estou correndo atrás do meu sonho de ser Bióloga". 

Um ano de faculdade foi algo simplesmente mágico. Passar quatro horas ao lado de pessoas que têm os mesmos ideais que eu, pessoas que acreditam e lutam por um mundo melhor, pessoas que preferem cuidar de plantas e animais que cuidar de pessoas... 
Como foi bom conviver com pessoas que olhavam para uma flor com o mesmo olhar que eu, pessoas que vêem beleza na lua, pessoas que conseguem sentir o cheiro da grama em plena cidade de São Paulo.

Infelizmente, tive que dar uma pausa no meu sonho. 
Como me doeu ter que parar a faculdade. Foi como se me tirassem a única coisa que eu realmente gostava.
Todo mundo diz que isso é apenas uma fase ruim, que logo passa, mas sabe quando a gente dá uma risada, concorda com o que disseram, porém não acredita em nada disso? Assim está sendo comigo. 
Sei que é apenas uma fase, que logo tudo se acerta, mas não dá para manter a calma sempre, não é mesmo?

Não vejo a hora dessa fase passar!
Não vejo a hora das coisas começarem a melhorar!
Ainda que eu não esteja com tantas forças, tenho fé!
Minhas opções são duas:
1ª) Eu posso ficar no quarto chorando falando que Deus é injusto.
2ª) Eu posso pensar que Deus não nos dá uma cruz maior do que podemos suportar e posso correr atrás de uma forma de melhorar as coisas.

Na boa... A primeira opção não me agrada nem um pouco!

*Desconsiderem a beleza do conteúdo. Isso foi apenas um desabafo!

Beijinhos

Amigos


Não há como descrevê-los. 
São seres divinos que Deus coloca na Terra para dividir conosco todas as nossas felicidades, tristezas, amores, dúvidas, inseguranças... Dividem tudo, ou melhor: compartilham tudo!
Amigos de verdade são lembrados constantemente, não importando quão grande seja a distância que estejam de nós. Esses amigos trazemos dentro do coração, junto com uma imensa felicidade por tê-los conhecido.
O amor é infinito enquanto dura. 
A amizade é eterna. 
Resumindo: Amigos são sempre amigos.

*Esse texto foi escrito por mim no dia 13/10/2007. É um dos milhares de textos guardados em cadernos, diários e agendas. Como não consegui organizar as ideias para escrever nada (são tantos assuntos que nem sei por qual começar) resolvi compartilhar um pouco do que escrevi há anos.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Sonhe com os anjos


Ela: Durma com os anjos e sonhe comigo!
Ele: Amanhã isso muda. Estarei dormindo com você e sonhando com os anjos.

E assim foi...

E hoje, antes de dormir, se perguntam quando é que voltarão a sonhar com os anjos.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Eu fiz a diferença




Era uma vez um escritor que morava numa praia tranquila, junto a uma colônia de pescadores. 

Todas as manhãs, ele passeava à beira mar para se inspirar e, à tarde, ficava em casa escrevendo. 

Um dia, caminhando pela praia, viu um vulto que parecia dançar. 

Quando chegou perto, encontrou um jovem pegando as estrelas do mar da areia e jogando-as, uma por uma, de volta ao mar.
- Por que está fazendo isso? - perguntou o escritor.

-Você não vê? - disse o jovem. - A maré está baixa e sol brilhando. Elas secarão no sol, vão morrer se ficarem aqui.
- Meu jovem, existem milhares de quilômetros de praias por esse mundo afora e centenas de milhares de estrelas do mar espalhadas por elas. Você joga umas poucas de volta ao mar... Que diferença isso faz? A maioria vai perecer de qualquer forma. 
O jovem pegou mais uma estrela da areia, jogou-a no mar, olhou para o escritor e disse: - Para essa, eu fiz a diferença. 


Naquela tarde o escritor não conseguiu trabalhar... 


De noite ele não conseguiu dormir... 
No outro dia pela manhã, ele decidiu se juntar ao jovem.

Assim naquela praia, dois vultos pareciam dançar. 


Obs.:Não consegui encontrar o autor. Caso alguém saiba, me informe para que eu possa dar os devidos créditos.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Há dias...


Há alguns dias na vida da gente em que o único desejo é escutar alguém perguntando se está tudo bem. E quando a pergunta é feita a gente nem responde, apenas dá um abraço e começa a chorar.

Doe Palavras...


Nunca apoiei nenhuma iniciativa específica aqui no Apenas um POUQUINHO de mim, porém hoje vi uma proposta que realmente mexeu comigo. Sabe quando você vê algo e aquilo fica na cabeça o dia todo porque você acredita que seja um gesto simples, porém de extrema importância? Foi exatamente isso que aconteceu quando eu vi uma postagem falando desse projeto.

Você já pensou no bem que algumas simples palavras podem fazer?
Vamos um pouco além: você já pensou no bem que uma palavra pode fazer a alguém que está internado ou fazendo tratamento de alguma doença grave?
Em muitos momentos da minha vida eu encontrei fé e esperanças em algo que havia lido ou ouvido. As palavras sempre me ajudaram a ir em frente, sempre me fizeram enxergar o mundo com outros olhos. Justamente por confiar no poder de transformação das palavras, eu resolvi passar a diante a ideia do projeto "Doe Palavras".

O projeto funciona assim: você envia uma frase de esperança, fé ou qualquer outra coisa que você acredite que possa fazer bem a quem ler. Depois de passar por uma triagem, as frases são exibidas em televisões de alguns hospitais que tratam de pessoas com câncer, como o Hospital Mario Penna, onde os pacientes mais precisam de força, como a sala de quimioterapia por exemplo.

Acessem o site e conheçam o projeto. Peço mais: acessem o site, conheçam o projeto e enviem uma frase. Você não perderá nem um minuto e poderá ajudar alguém a encontrar aquela luz no fim do túnel.


Obs.: Tomei conhecimento do projeto por meio do blog Jogando na parede, do Alan Farias. Um blog com tal iniciativa certamente merece ser visitado.

Não deixem de apoiar  E CONTRIBUIR com esse projeto.

Beijinhos

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

De volta à vida


Eis que a vida volta ao normal.
Depois de três longos meses de sombra e água fresca, minha vida volta a ser como sempre foi. Digo três longos meses porque fui demitida em outubro, então fiquei os meses de novembro, dezembro e janeiro em casa.
Posso dizer que nesses três meses eu vivi muito mais coisa que em muitos anos. 

Em novembro ainda tinha a preocupação da faculdade. Parece que os professores adivinharam que eu estava com o dia todo vago e resolveram ocupar todo meu tempo com trabalhos de pesquisa e trabalhos de campo (coleta de flores e folhas). Foi tanto trabalho e prova juntos que eu nem sei como conseguimos (a grande maioria dos trabalhos era em grupo, e os individuais a gente também fazia em grupo) fazer todos. 

Em dezembro eu contei os dias para o término das aulas. No dia seguinte à última prova eu já estava na Rodoviária Tietê rumo à Jaguariúna. Meu pai e meus avós paternos moram lá. Fazia oito anos que eu não viajava para o interior para passar uns dias com a família do meu pai. Foi uma experiência e tanto, sobretudo por rever meu irmão mais novo, que não via há mais de seis anos. 
Dez dias no interior me fizeram pensar muito na vida. Pensar em todas as coisas que eu havia abandonado pela metade. Pensar em tudo que estava acontecendo naquele momento. Passar dez dias longe da minha vida normal me fez avaliar o que eu realmente queria para o ano que estava por vir. 

Janeiro foi sem dúvida um mês de transformação. Para começar, teve a tal viagem ao Rio de Janeiro. Cinco dias longe de tudo e todos. Cinco dias sem nenhum conhecido por perto. Cinco dias para que eu pudesse ser eu mesma, sem nenhuma preocupação. Conhecer lugares novos, pessoas novas, experiências novas, compartilhar a beleza da lua... 
Janeiro foi, definitivamente, um divisor de águas. Decidi por ponto final em tudo que estava inacabado. Entendi que eu tenho a vida que eu escolher para mim, sendo assim é melhor correr atrás do que quero logo e parar de me acomodar com o "mais ou menos". Percebi que sou muito mais que uma menininha. Entendi que, se eu arriscar, eu tenho um mundo novo (e lindo) me esperando ali fora.

Foram três meses em que tudo valeu a pena.

Fevereiro já começa com meu aniversário... rs
Agora é hora de voltar a trabalhar, a estudar e, principalmente, a relembrar as coisas boas e fazer o possível para torná-las reais novamente.

Beijinhos

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Eu juro...



Todas as noites meus pés reclamam a falta dos seus.
Todas as noites meus dedos reclamam a falta dos seus entrelaçados neles.
Todas as noites meus ouvidos reclamam a falta da doce sinfonia que era sua respiração.

Eu juro que já me acostumei com a distância.
Mas meu corpo se recusa a aceitar essa condição.